[Podcast Dados] Contrapúblico ultraliberal e os protestos contra Dilma Rousseff, por Camila Rocha


Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A Revista DADOS lançou mês passado um Podcast de divulgação de seus artigos e demais iniciativas. A ferramenta faz parte de um processo mais amplo do periódico, que tem como objetivo aprimorar a circulação de pesquisas de excelência nas ciências sociais e estimular a leitura de textos acadêmicos.

No segundo episódio do Podcast DADOS, a cientista política Camila Rocha conversa com nosso editor-chefe Luiz Augusto Campos sobre o artigo “A Formação de um Contrapúblico Ultraliberal e os Protestos Pró- Impeachment de Dilma Rousseff“, publicado no vol.62, n.3 da revista e um dos mais citados na história da publicação. O resumo do trabalho pode ser consultado abaixo.

Resumo
O objetivo deste artigo é apontar o papel desempenhado pelo contrapúblico ultraliberal na convocação e direção dos primeiros protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff. Para tanto, procurei apontar a pertinência da utilização do conceito de contrapúblico para caracterizar as dinâmicas que perpassavam os integrantes de grupos e espaços de debate relacionados ao ultraliberalismo. A partir de uma triangulação de dados empíricos, foi realizada uma reconstrução histórica, bem como demonstrada a existência de um contrapúblico ultraliberal com base no conteúdo de entrevistas em profundidade com militantes. Conclui-se que a reunião precoce desse grupo, na internet, deu início à formação de um contrapúblico ultraliberal calcado na existência de uma identidade coletiva por parte de seus membros. A permanência e institucionalização de tal contrapúblico foi facilitada pelo suporte organizacional e financeiro de uma rede pré-existente de think tanks liberais no país, possibilitando que seus membros pudessem convocar e liderar os primeiros protestos pró- impeachment de 2014. Isso se deu em virtude de mudanças na estrutura de oportunidades políticas relacionadas às revoltas de Junho de 2013 e à reeleição de Dilma Rousseff em 2014.

Escute em:

Anchor

Spotify

 

Acompanhe nossas redes sociais:

Twitter

https://twitter.com/DadosRevista

Instagram

https://www.instagram.com/DadosRevista/

Facebook

https://www.facebook.com/revistadados/ 

Tags: ,