Artigo



Dados vol. 61 n. 4 Rio de Janeiro out./dez. 2018

Filiação Partidária e Ativismo em uma Nova Democracia: Evidências do Caso Português

Santo, Paula do Espírito - Lisi, Marco - Costa, Bruno Ferreira

Resumo

Embora a análise de modelos partidários e tipos de composição partidária tenham sido amplamente discutidas em nível teórico, a pesquisa empírica sobre o tema não atraiu atenção semelhante. Este estudo contribui para preencher esta lacuna examinando um caso pouco estudado, nomeadamente os membros dos partidos políticos portugueses. O objetivo central deste artigo é contribuir para o estudo do ativismo e engajamento partidário, em uma perspectiva comparativa, considerando diferentes tipos de partidos. A pesquisa foi baseada em um questionário on-line conduzido pela rede de pesquisa MAPP (Members and Activists of Political Parties). O conjunto de dados incluiu membros de várias legendas, desde dos tradicionais catch-all parties (PS - Partido Socialista; PSD - Partido Social Democrata) até partidos de elite (CDS-PP - Partido Social-Democrata Centro-Popular), bem como partidos de "movimento" (BE - Bloco Esquerdo; LIVRE). O estudo abrange quatro dimensões principais de filiação partidária: perfil sóciodemográfico dos membros do partido, atitudes ideológicas, razões para ingressar no partido e níveis e tipos de ativismo. Mostramos que a filiação partidária em Portugal segue tendências semelhantes a outras democracias europeias avançadas, embora com diferenças importantes entre os partidos. Estes resultados são um importante barômetro para medir a qualidade da democracia, especialmente em uma tão jovem quanto a de Portugal.

Palavras-chave: filiação partidária; ativismo; partidos políticos; representação política.

DOI: 10.1590/001152582018165

Texto completo